Intérprete da mensagem dos golfinhos

Moitessier, Joshua, golfinhos

Velejador Bernard Moitessier e seu barco Joshua

O primeiro homem a velejar sozinho, sem escala, em volta ao mundo [skipper to sail solo around the world] foi o francês Bernard Moitessier.

Ele participou da primeira regata volta ao mundo em solitário, em 1968, e seria o vencedor, de longe. Já subindo o Atlântico pela costa africana, [sailing upwind the African coast] na reta final para a grande vitória, ele ficou pensando…Pensou que o ser humano é fraco, e que ele fatalmente sucumbiria às tentações da fama e da glória, ao chegar vencedor à Inglaterra.

Então, virou seu barco em 180 graus, [tacked and gibed his boat towards South Africa] rumando para a África do Sul, decidido a começar mais uma volta, ao mundo.

Golfinhos

Golfinhos

Uma noite, já a ponto de completar a segunda travessia do Oceano Índico [Indian ocean crossing], não muito longe de perigosos recifes [underwater reefs] ao sul da Tasmânia, Moitessier foi acordado por gritos desesperados de golfinhos.

Quando saiu para a coberta [boat deck], viu um grupo de golfinhos comportando-se de forma totalmente estranha. Em vez das brincadeiras habituais, eles pareciam desesperados, gritando e saltando. O homem percebeu que os golfinhos nadavam à frente do barco e saltavam, fazendo um giro brusco para o Sul, ao mesmo tempo em que ganiam.

Há meses em estreita relação com o mar, Moitessier ouviu, e entendeu, que os golfinhos estavam dizendo a ele que virasse o barco em direção ao Sul. Quando fez o bordo, [tacked his boat] imediatamente os golfinhos pararam de gritar, e voltaram a nadar normalmente, acompanhando o barco por muitas milhas ainda.

O velejador não acreditava que pudesse ter-se equivocado tanto em sua rota [tracing his route] pois havia tomado todo o cuidado para passar bem abaixo dos recifes [to sail South below the reefs] que poderiam afundar seu barco, o Joshua.

Mesmo assim, refez os cálculos, muitas vezes. Quando já era dia claro, finalmente, percebeu que não havia incluído em sua navegação estimada [estimated sailing] uma forte corrente de Sul [strong South currents], que o fizera derivar para o Norte [drift Northwards].

Na rota em que estava, ele realmente teria levado a quilha do Joshua a se chocar contra os recifes, [led her keel to hit the reefs], não fosse pelo aviso dos golfinhos, que ele soube interpretar.

Como intérprete, posso imaginar que Moitessier só conseguiu entender a mensagem ali, na hora, no meio da madrugada, em pleno Oceano Índico, porque havia se preparado muito bem para o evento.

Mas além do preparo, do planejamento e da habilidade, ele se deixou inspirar por outra forma de inteligência, a dos golfinhos, que dominam a geografia dos mares sem precisar de GPS, e aprendem a nadar em menos de um dia.

*As traduções que aparecem entre parênteses são apenas sugestões para a tradução livre de alguns termos ao inglês.

3 respostas para “Intérprete da mensagem dos golfinhos”

  1. December 18th, 2012 at 12:42

    Cecilia diz:

    Que texto lindo!

    Por isso que quero abraçar essa profissão.

    Parabéns a quema a escolheu!

  2. December 25th, 2012 at 23:08

    Alfredo Spínola de Mello Neto diz:

    Esse texto expressa toda a sensibilidade exigida para o ofício da tradução: é preciso ir além das simples palavras. Parabéns!

  3. April 20th, 2013 at 22:19

    Alberto A. Sobbrinho diz:

    Os golfinhos dominam a geografia dos mares e você domina a linguagem dos executivos. Parabéns pelo texto.

Deixe seu comentário