Tradução consecutiva: um exemplo prático

Neste vídeo, divulgado pela AIB- Agrupación de Intérpretes de Barcelona, vemos de perto o trabalho de uma intérprete durante uma tradução consecutiva.

Uma das características da tradução consecutiva é a tomada de notas, considerada pelos intérpretes profissionais como uma verdadeira arte. Há algumas técnicas gerais, mas em verdade, cada intérprete desenvolve ao longo dos anos seu próprio sistema de notação.

Observem que a tomada de notas em consecutiva é diferente do sistema de taquigrafia automática, por exemplo, onde os sons são representados por símbolos.

Aqui o que se registram são as ideais principais e os volteios do discurso.

Além disso, datas, cifras, nomes de lugares e transições entre ideias no discurso são todas representadas no bloquinho de notas da intérprete. Se você observar bem, vai ver também que suas anotações são feitas com certo retardo em relação à fala do orador, um pouco como na simultânea, em que o intérprete está sempre alguns segundos atrás do palestrante.

Na tradução consecutiva, o nível de concentração da intérprete é altíssimo. O cérebro trabalha sem parar, processando a mensagem, anotando, e guardando outras informações na memória de curto prazo (diferente da memória de curtíssimo prazo usada pelo intérprete em simultânea). Essas outras informações incluem o contexto geral, o tom de voz do palestrante e o que simplesmente não deu tempo de anotar no bloquinho.

No final, o que pode parecer uma série de garranchos incompreensíveis, esparramados por várias folhas de papel, se transforma num mapa mental, utilíssimo para reconstruir a mensagem com fidelidade quando é a vez da intérprete falar.

Achei realmente admirável o trabalho da intérprete Mary neste vídeo. Palmas para ela.

Tradução consecutiva não é para os fracos não!

Atualização em 16/09/2011

A AIB publicou também um outro vídeo, no qual a intérprete explica as suas notas. É imperdível:

2 respostas para “Tradução consecutiva: um exemplo prático”

  1. November 3rd, 2011 at 09:22

    Zeca diz:

    Tradução? Não seria interpretação?

  2. November 4th, 2011 at 12:45

    malu diz:

    Aprendi taquigrafia, a técnica é a mesma, acho que por isso sempre me senti mais à vontade com consecutiva. E você fala de usar o Linguee, dá tempo??? beijinhos

Deixe seu comentário